google-site-verification=ldFPMJs5-yw4C3ux8Xv8ENWEiUVKr0YQXFz1pwdIcXE
top of page

Re-BIO-lução: a revolução da moda liderada por biomateriais.


Sacos de couro feitos de café, sedas de cascas de laranja, tecidos alternativos criados a partir de abacaxi e mundos inteiros bimanufaturados com a ajuda de organismos vivos. Parece ... futurista certo? Mas e se fosse uma realidade iminente? Se o futuro já estivesse aqui, se as respostas estivessem debaixo de nossos narizes, o que faríamos com ele?


Os cenários acima mencionados estão longe de ser hipotéticos, são todos exemplos de criações fascinantes que surgiram das mãos de empresários de todo o mundo que ainda procuram o seu lugar no mercado, invenções cuja formulação é baseada em matéria-prima biodegradável e, portanto, amigável com o ambiente. A importância dessas novas descobertas reside no fato de que podem ser a resposta necessária para enfrentar a grande crise em que estamos imersos, que segundo relatórios da Organização das Nações Unidas (ONU), tem apenas uma janela de tempo de dez anos. Como humanidade, temos apenas uma década para atingir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável antes de chegar ao limite da emergência ambiental e nos encontrarmos com um panorama irreversível.


Até agora a indústria mostra melhorias leves e lentas, os dados dos anos anteriores parecem não melhorar e a poluição datada de 2018 com níveis de 20% de toda a poluição de águas residuais, 10% das emissões globais de carbono e 24% da implementação de inseticidas em todo o mundo para sua produção quando o uso do solo para o plantio de sua matéria-prima representa apenas 5% (Comissão Econômica das Nações Unidas para a Europa, 2018) ainda forja um dos maiores problemas da cadeia.


No entanto, transformar um sistema que cresceu vorazmente e se mostrou extremamente lucrativo não parece viável, em grande parte porque ainda existe uma resistência considerável à mudança. A indústria não repensou os fundamentos de seus métodos porque concentrou seus esforços em reduzir o impacto negativo das práticas sem modificar em nada o fluxo de seus lucros ou seu já conhecido sistema de manufatura. O Greenwashing, soluções pobres como têxteis feitos parcialmente com biomassa, mas ainda não biodegradáveis, e a falta de rastreabilidade das cadeias de abastecimento ainda estão no horizonte de um mundo insustentável. Portanto, se a produção convencional já foi questionada e nenhuma das soluções encontradas representa uma mudança realmente efetiva em termos de sustentabilidade, talvez a resposta seja produzir de forma não convencional.


A resposta de amanhã se confunde com as raízes de uma humanidade consciente, com a natureza e com seus recursos renováveis. Os novos materiais emergentes enquadram-se perfeitamente numa economia circular, não só pela origem orgânica da sua composição ou pela sua degradação eficiente, mas também pela possibilidade de aproveitamento de resíduos de outras indústrias (sobretudo alimentar) para obter a sua matéria-prima. Dando centenas de acabamentos e texturas para explorar, são estes novos elementos que vão moldar o futuro do mundo e vão se inserir numa economia circular.





Como uma aldeia global, temos pouco tempo e, em vez de soluções ultrajantes, precisamos desse tipo de pequenos passos na direção certa. Como Suzanne Lee explica em seu TED talk de 2019, o grande volume de conhecimento e inovações sobre novas alternativas para o sistema veio das mãos de pequenos e médios empresários, desenraizados da atratividade do capitalismo e com o olhar fixo em um mundo visto sob o lente da sustentabilidade. Ideias inovadoras, atraentes e acima de tudo funcionais estão sendo incubadas em pequenas equipes interdisciplinares que, através do uso da tecnologia como potencializador, demonstram que um paradigma da moda circular em que os têxteis e as fibras permanecem em seu valor máximo durante o uso e nunca acabam como desperdício, é possível. Talvez o futuro já esteja aqui e só possamos recebê-lo.



Referências:


Nações Unidas (2018), A Agenda 2030 e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável: uma oportunidade para a América Latina e o Caribe (LC / G.2681-P / Rev.3), Santiago. Obtido em: https://www.cepal.org/es/publicaciones/40155-la-agenda-2030-objetivos-desarrollo-sostenible-oportunidad-america-latina-caribe


Comissão Econômica das Nações Unidas para a Europa. (2018, 1º de março). Moda e os ODS: qual o papel da ONU? Conferência das Nações Unidas, Genebra, Suíça.


Suzanne Lee, [TED]. (2019, julho). Porque a "biofabricação" é a próxima revolução industrial [arquivo de vídeo]. Recuperado de: https://www.youtube.com/watch?v=7pMhqyteR5g


11 visualizações0 comentário

Commentaires


bottom of page