google-site-verification=ldFPMJs5-yw4C3ux8Xv8ENWEiUVKr0YQXFz1pwdIcXE
top of page

O Dia do Trabalhador e o estado da moda

Por Pooja Lucie Willmann




O início do mês de maio marcou o Dia Internacional do Trabalhador, reunindo milhares de

trabalhadores descontentes em todo o mundo em torno de questões que vão desde a inflação até as pensões. Na Europa, por exemplo, os protestos demonstraram descontentamento, assim como a evolução da consciência sobre os direitos políticos e legais.


O reconhecimento internacional de tais questões é importante quando se leva em conta as

6.300 mortes diárias devidas a acidentes de trabalho. A indústria da moda é uma das

principais contribuintes para estes números, o incidente do Rana Plaza matando pelo menos

1.132 indivíduos e ferindo mais 2.500. É o acidente mais mortal da indústria do vestuário e

um exemplo visceral do impacto da indústria da moda na vida dos trabalhadores em regiões

específicas do mundo. O dia 24 de abril foi o aniversário de 9 anos do colapso, convidando a uma reflexão e atuando como um marcador do progresso feito pela indústria da moda a cada ano. É oportuno que alguns dias depois, o dia 28 de abril marcou a comemoração do Dia Mundial da Segurança e Saúde no Trabalho.


O Rana Plaza é, acima de tudo, um grito de guerra contra a moda rápida. Quando a produção e o consumo rápidos se tornam a norma, os direitos dos trabalhadores são prejudicados por salários mais baixos e um ambiente de trabalho mais perigoso. A falta de legislação em torno da segurança foi a principal causa do colapso, demonstrando o impacto direto dos modelos de consumo de take-make-waste (pegar-fazer-desperdiçar).


Em resposta ao incidente, o Accord on Fire and Building Safety (Acordo sobre Incêndios e

Segurança de Edifícios) em Bangladesh foi assinado por 220 empresas em 2013. O acordo foi prorrogado até 2020 e depois foi entregue ao Conselho de Sustentabilidade (Sustainability Council, RSC), encarregado de implementar o programa e estender seu escopo aos direitos trabalhistas. Também foram doados US$ 30 milhões em doações para as vítimas e suas famílias até 2015. Ainda assim, pelo menos mais 100 acidentes ocorreram desde o colapso do Rana Plaza, e a recente pandemia piorou consideravelmente as condições dos trabalhadores do vestuário na Índia, por exemplo, devido à falta de pagamento de indenizações.


Ao mesmo tempo em que as questões polêmicas permanecem, é inegável que a consciência e a mobilização dos cidadãos têm promovido a causa. Após o incidente do Rana Plaza, o primeiro Dia da Revolução da Moda em 2014 fez #whomademyclothes (quem fez minhas roupas) o hashtag número um das tendências no Twitter mundial. Em termos de legislação concreta, em setembro de 2021, 171 varejistas globais assinaram o Acordo Internacional para Saúde e Segurança na Indústria de Vestuário e Têxtil, com base no Acordo de Bangladesh.


Mais recentemente, a aprovação da Garment Worker Protection Act (Ata de Proteção do

Trabalhador do Vestuário) (SB62) na Califórnia em Janeiro de 2022 simbolizou uma corrente

de regulamentação na direção certa, e de esperança para o futuro da moda e dos seus

trabalhadores.



Fonte:


International Labour Organization (ILO) (2017, December 21).The Rana Plaza Accident and

its aftermath. https://www.ilo.org/global/topics/geip/WCMS_614394/lang--en/index.htm


Solá-Santiago, F. (2022, January 17). For Activists, The Garment Worker Protection Act Is

Just The Beginning. Refinery29.

https://www.refinery29.com/en-us/2022/01/10832734/garment-workers-protection-act-

explained


Preuss, S. (2022, April 25). Rana Plaza - nine years later. FashionUnited.

https://fashionunited.uk/news/business/rana-plaza-nine-years-later/2022042462746


Rahman, S., & Yadlapalli, A. (2021, 22 april). Years after the Rana Plaza tragedy,

Bangladesh’s garment workers are still bottom of the pile. The Conversation.

https://theconversation.com/years-after-the-rana-plaza-tragedy-bangladeshs-garment-

workers-are-still-bottom-of-the-pile-159224

3 visualizações0 comentário

댓글


bottom of page