google-site-verification=ldFPMJs5-yw4C3ux8Xv8ENWEiUVKr0YQXFz1pwdIcXE
top of page

#feitoem CONDIÇÕES DESUMANAS: Não existe sustentabilidade sem Direitos Humanos



Com o termo “sustentabilidade” aos poucos se aproximando dos holofotes globais, o enquadramento de sua definição começa a se esvair. A palavra em si serve apenas para evocar a ideia de questão ambiental e está desvinculada do conceito social ao qual também deveria estar relacionada. A verdade é que, para se chegar a um sistema circular ou pelo menos mais sustentável, é preciso considerar o aspecto social da produção, que costuma ser esquecido para dar tempo e espaço às faces econômica e ambiental da indústria.


Hoje, os princípios de sustentabilidade foram entrelaçados com as ideias da Triple Bottom Line Accounting (TBLA), que è um método usado para aferir os impactos econômicos, ambientais e de serviço à comunidade de uma organização, em vez da prática tradicional de medir apenas os resultados financeiros (Elkington . J., 1998). Elkington tentou conceber um mundo onde o desenvolvimento sustentável (SD) e a responsabilidade social corporativa (RSC) pudessem caminhar lado a lado, levando ao desenvolvimento social como um subproduto da produção empresarial. Então, por que o sistema da moda esqueceu o aspecto social do sistema produtivo? Em parte porque se perde no gigantesco fluxo de informações da rede.

De acordo com a rastreabilidade compacta global da ONU é a “capacidade de identificar e rastrear a história, distribuição, localização e aplicação de produtos, componentes e materiais, para garantir a confiabilidade das declarações de sustentabilidade nas áreas de direitos humanos, trabalho (incluindo saúde e segurança), meio ambiente e anticorrupção ”(Norton, T., Beier, J., Shields, L., Househam, A., Bombis, E., & Liew, D., 2014) Para que isso seja alcançado, uma ativa colaboração dos atores da rede de produção é necessária para permitir que as empresas sejam sustentáveis ​​e eficientes ao mesmo tempo (Vigolo, F., 2020)


A principal questão na indústria da moda vem depois dos efeitos da busca pelo menor custo e maior lucro do mercado, que acaba fazendo com que as marcas escolham terceiros produtores localizados em países mal regulados e construam uma cadeia indetectável. O resultado deste sistema pode ser resumido em espaços de trabalho que são exploradores, coercitivos e prejudiciais aos trabalhadores (Coakley, M., & Kates, M., 2013) que não apenas inclui baixos salários e riscos para a saúde e segurança, mas também para crianças trabalho, um tema que não pode ser desconsiderado (Remy, N., Speelman, E., & Swartz, S., 2016).


No final, se nos preocupamos apenas com o lado ambiental da sustentabilidade, um conceito nascido como uma intenção humana de salvação perderá toda a sua humanidade. É por isso que criar um modelo de transparência é tão importante, pois nos permitirá rastrear as injustiças no sistema. Porque, embora as empresas possam influenciar e certamente devam se comunicar e responsabilizar seus parceiros, a verdade é que fornecedores e compradores geralmente têm influência limitada. Um esquema que forneça uma parte neutra responsável pelas garantias em toda a cadeia é necessário para exercer influência com fornecedores e produtores onde uma empresa individual pode ter pouca influência (Norton, T., Beier, J., Shields, L ., Househam, A., Bombis, E., & Liew, D., 2014)


As soluções para esses problemas envolvem mais de um ator social. Em primeiro lugar, os consumidores precisam acelerar seu jogo e começar a priorizar roupas de produção sustentável em vez das alternativas de fast fashion, para tornar o esforço e combater o sistema o mais atraente possível. Em segundo lugar, as políticas devem ser feitas na medida em que os governos defendem os direitos de seus cidadãos (principalmente os países do terceiro mundo onde as fábricas exploradoras são estabelecidas), e mesmo que isso não signifique que o problema será resolvido completamente, a regulamentação do trabalho explorador tem o potencial de aumentam muito o bem-estar humano geral em geral (Coakley, M., & Kates, M., 2013). E por último, mas não menos importante, as empresas precisam entender a urgência de uma mudança no paradigma produtivo atual e começar a medir o desempenho da sustentabilidade em toda a cadeia de abastecimento, definir metas para melhorias, ajudar os fornecedores a reduzir seu impacto e responsabilizar os fornecedores se não o fizerem (Remy, N., Speelman, E., & Swartz, S., 2016). A sustentabilidade deve defender a criação de um sistema que seja protegido pela humanidade.


Referências:

Elkington, J. (1998). Accounting for the triple bottom line. Measuring Business Excellence.

Coakley, M., & Kates, M. (2013). The ethical and economic case for sweatshop regulation. Journal of Business Ethics, 117(3), 553-558.


Norton, T., Beier, J., Shields, L., Househam, A., Bombis, E., & Liew, D. (2014). A guide to traceability: A practical approach to advance sustainability in global supply chains. United Nations Global Compact Office: New York, NY, USA.


Remy, N., Speelman, E., & Swartz, S. (2016). Style that’s sustainable: A new fast-fashion formula. McKinsey Global Institute.


Vigolo, F. (2020). Sustainability in the Fashion Industry: the Key Role of Traceability for Responsible Companies (Bachelor's thesis, Università Ca'Foscari Venezia).


2 visualizações0 comentário

留言


bottom of page